Como calcular e interpretar o TSR – Total Shareholder Return

Se os acionistas da minha empresa me pedissem como especialista para indicar um, e somente um indicador para acompanhar o desempenho da sua empresa sob o ponto de vista de seus interesses, eu indicaria sem dúvida o TSR-Total Shareholder Return. Ou RTA – Retorno Total do Acionista.

É isso que pretendemos demonstrar neste artigo. Não somente mostrando com são feitas as contas, mas também como analisar os resultados e sua vital importância para os acionistas.

Através da análise dos resultados, os acionistas saberão se está valendo a pena correr os riscos do negócio.

Nota: Os termos acionista, sócio, cotista, dono, empresário devem ser entendidas como sinônimos.

Qual o melhor indicador financeiro sob o ponto de vista do acionista? (Mas que todo gestor também deveria acompanhar)

Chama-se TSR – Total Shareholder Return, ou RTA – Retorno Total do Acionista. Iremos mostrar como calcular e interpretar este indicador. Sua relevância para os acionistas ficará óbvia.

Como investidor, o empresário procura dois tipos de retorno mensuráveis:

  1. Retorno através de dividendos. Geralmente recebido em dinheiro uma vez por ano.
  2. Retorno através da valorização da ação, ou ganho de capital.

Para calcular o TSR de uma empresa de capital aberto, o preço da ação em Bolsa de Valores poderá ser acompanhado diariamente.

Se for uma empresa de capital fechado, para calcular o TSR haverá a necessidade de fazer um valuation periodicamente, uma vez ao ano pelo menos, e mantê-lo atualizado ano a ano.

Preferencialmente este valuation deverá ser feito por profissional externo, isento das contaminações , vieses e interesses de quem está envolvido no dia a dia da empresa.

Vamos acompanhar um exemplo:

Como medir o TSR por dividendo e valorização da ação ao longo de 1 ano?

Evento Data Valor
Compra da ação 20 de setembro de 2017 -R$ 100
Recebimento do dividendo 7 de abril de 2018 R$ 4
Preço da ação (*) 20 de setembro de 2018 R$ 112
(*) Baseado do preço da ação ou no valuation feito por um assessor externo.

O TSR/TIR é de 16,2% no intervalo de 1 ano analisado.

Este resultado foi obtido através da utilização da função financeira do Excel chamada XTIR.

Esta função possibilita o cálculo da TIR baseada num fluxo de caixa com intervalos desiguais entre as datas de entrada e de saída de caixa, como no exemplo.

O valor de (- R$100) é considerado como investimento (saída de dinheiro). Os valores de (+ R$4) e (+ R$112) são considerados como benefícios do investimento (entrada de dinheiro).

Como analisar a TSR?

Para que serve a informação TSR de 16,2% no intervalo de 1 ano analisado?

Ela serve para responder à seguinte pergunta: há criação de valor para o acionista da empresa no período analisado de 20-9-17 a 20-9-18?

Para obter essa resposta há a necessidade de definir o custo de capital do acionista (CCA).

Ele é o retorno mínimo que o acionista define como justo dentro do ambiente de incerteza que caracteriza os investimentos em empresas, cujo rendimento é incerto.

O CCA está associado a dois fatores:

  1. Uma taxa de juros obtida num investimento de risco zero, ou muito próximo.
  2. Um prêmio pelo risco associado ao perfil de risco do investimento na empresa.

Assumindo um CCA de 10% ao ano, temos uma criação de valor para o empresário de 6,2 pontos percentuais no ano (16,2% – 10%).

Criação de valor está associado a um ganho extra, acima do mínimo desejado: 6,2 pontos percentuais no exemplo.

Em resumo: No período de 20-9-17 a 20-9-18 há criação de valor para o empresário porque o TSR é maior que o CCA. Em outras palavras: o acionista foi remunerado no período acima das suas expectativas.

Ou seja, o retorno obtido pelo acionista na forma de dividendo mais a valorização do preço da ação (16,2% ao ano) é maior que o retorno mínimo que ele definiu como justo para o investimento (10% ao ano).

Sempre que TSR for maior CCA haverá criação de valor. Sempre que TSR for menor que o CCA haverá destruição de valor.

Em resumo: somente há criação de valor para os acionistas quando ele é remunerado acima das suas expectativas.

Conclusão

  • O retorno do investimento do empresário como investidor é possível de ser medido. É mensurável e quantificável.
  • A criação de valor para o acionista deverá ser acompanhada através do TSR calculado para vários períodos: 1 ano, 2 anos, 3 anos, etc.

Fica claro que a TSR é um indicador dinâmico, o que o qualifica. Captura valores da empresa em movimento.

  • A criação de valor para o empresário é medida pela diferença entre o TSR menos o CCA.

 

Ao longo do tempo pode haver alternância entre períodos de criação e destruição de valor. Todavia, a busca é pela criação de valor a longo prazo.

  • O valuation não é uma informação que deve ser construída apenas quando uma empresa está sendo vendida, sofrendo reestruturação societária, cisão ou situações afins.

 

O valuation precisa ser elaborado e mantido atualizado para que os acionistas possam mensurar o retorno do seu investimento ao longo dos anos.

  • Sem o cálculo do TSR fica impossível saber se há criação de valor para o acionista.

 

Ou seja: o empresário nunca poderá avaliar se está “valendo a pena” ser dono da empresa correndo os riscos do negócio.

  • Em empresas com ações em Bolsa de Valores o cálculo do TSR é simples. Em empresas de capital fechado recomenda-se a contratação de um avaliador/assessor financeiro externo para elaborar um valuation
  • Diretores e sua equipe de executivos devem gerir suas empresas buscando a criação de valor para os sócios sempre, mês a mês, ano a ano. Não há outro indicador financeiro tão seguro para medir se estão sendo eficientes ou não no cumprimento de suas funções.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *