Fazer a Análise Econômica Baseada no Patrimônio Líquido Contábil ou a Valor de Mercado?

PL é a abreviação de patrimônio líquido. Acionista é igual a sócios.

Na literatura financeira, e no dia a dia das empresas, indicadores econômicos como o ROE – Return on Equity ou Retorno sobre o Patrimônio Líquido são calculados com base no PL contábil.

O PL contábil mostra o valor da riqueza dos acionistas na contabilidade.

Todavia, todas as empresas têm um valor de mercado intrínseco associado às projeções de lucros futuros.

O valuation de uma S.A. de capital aberto, baseado no preço das ações cotadas em Bolsa de Valore, poderá indicar um valor de mercado menor, assemelhado ou maior que o valor contábil do PL.

O Valuation de uma S.A. de capital fechado também poderá indicar um valor de mercado menor, assemelhado ou maior que o valor contábil do PL.

Na empresa de capital fechado, o preço das ações poderá ser estimado baseado num valuation elaborado por um assessor financeiro interno ou externo.

Um assessor financeiro externo é preferível pela posição de independência em relação aos sócios e executivos da empresa.

Pergunta: Se o valor de mercado do PL for maior que o PL contábil, por exemplo, devemos calcular o ROE – Return on Equity baseado no patrimônio líquido contábil ou a valor de mercado?

Resposta: baseado no patrimônio líquido a valor de mercado. Este texto justificará esta resposta.

Preferência pelo PL a valor de mercado em relação ao PL contábil

Imagine que você possui de 1.000 em ações de uma empresa cotada em Bolsa de Valores ao preço de mercado de $100 cada uma. O valor patrimonial contábil desta mesma ação é de $50, portanto, metade do valor de mercado.

Você tem 2 (dois) cenários:

  1. Realizar este investimento em ações por $100.000 (1.000 x $100). Posteriormente aplicar estes recursos numa alternativa de renda fixa de risco mínimo para ganhar 6% a.a.
  2. Permanecer com o investimento em ações baseado em expectativas de lucros futuros da empresa e, portanto, sujeito à incerteza. Neste cenário você deseja ganhar 15% a.a. no mínimo.

No cenário 2 o racional é o seguinte:

15,0% a.a. = 6,0% a.a. (taxa livre de risco) + 9,0% a.a. (prêmio pela exposição ao risco).

Pergunta: você quer ganhar 15% ao ano sobre o PL contábil de $50 ou sobre o valor de mercado da ação de $100?

Fácil responder: você quer ganhar 15% a.a. sobre o valor de mercado da ação de $100.

Óbvio! Você pode vender a ação pelo valor de mercado de $100, bem acima do valor patrimonial contábil de $50.

Se você optar por permanecer com o investimento, daqui a um ano você espera ter recebido um dividendo de $3, e ainda espera que a ação esteja cotada a $112, no mínimo.

São 3% ($3/$100) de retorno desejado por recebimento de dividendos e 12% ($12/$100) de retorno desejado por valorização do papel. Total do retorno desejado: mínimo de 15% ao ano.

Importante: você pode reler 100% da parte 2 deste artigo e assumir que o preço de $100/ação é baseado num valuation deito por um assessor externo. Neste caso, estaríamos tratando de uma empresa de capital fechado.

Conclusão do artigo

Se você é Diretor de uma empresa de capital aberto ou empresa de capital fechado, buscará uma remuneração atraente para seus acionistas baseado no valor de mercado das ações e não no valor patrimonial contábil.

Numa empresa com ações negociadas em Bolsa de Valores é muito fácil entender esta recomendação.

O preço de mercado da ação é público e todos os acionistas e executivos da S.A. de capital aberto sabem que é sobre este preço de mercado que os investidores estão buscando remuneração.

Mas se a empresa não tem ações negociadas em Bolsa de Valores. Como fazer?

Simples: contrate um assessor financeiro externo para elaborar anualmente o valuation da sua empresa.

Assessor externo? Sim. Para ele não fazer o valuation contaminado pelas informações de quem trabalha dentro da empresa e, naturalmente assume posições tendenciosas, geralmente com um viés de otimismo.

Exemplo de cálculo do ROE – Return on Equity:

Uma empresa tem seu capital composto por 1.000.000 de ações.

O valor de mercado de cada ação é de $100 (ou porque está ação é cotada em Bolsa de Valores, ou porque o preço desta ação foi estimado por um assessor externo independente). O valor patrimonial contábil da mesma ação é de $50.

O lucro líquido estimado para o ano é de $15.000.000. Portanto, como deve ser calculado o ROE – Return on Equity?

ROE com base no PL contábil = $15.000.000 / $50.000.000 = 30% ao ano

ROE com base no PL de mercado = $15.000.000 / $100.000.000 = 15% ao ano

O segundo cálculo é muito mais adequado sob a perspectiva do dono do capital, independente do fato de ser uma empresa de capital aberto ou uma empresa de capital fechado.

Reflita: o cálculo do ROE com base no valor de mercado estimado coloca pressão nos acionistas e executivos.

Eles devem ficar permanentemente ligados na melhoria da lucratividade dos negócios atuais, e na busca incessante de valiosas oportunidades de investimentos criadores de valor.

O ROE calculado com base no PL contábil alivia a vida dos administradores.

Um destaque: todo bom livro de finanças quando trata do assunto custo de capital recomenda que o capital do sócio seja considerado pelo seu valor de mercado. Lembra-se?

Obrigado! Faça seus comentários no blog da Cavalcante.

Aproveite para sugerir temas para novos artigos.

Recomendação de leitura no blog da Cavalcante: Como Calcular a TSR – Total Shareholder Return.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *