Como fazer análise financeira do endividamento e da liquidez – Estático x Dinâmico

Mostraremos neste texto como fazer a análise financeira do endividamento e da liquidez com bases na avaliação de indicadores, métricas ou medidas de desempenho que julgamos as mais adequadas.

Todavia, para analisarmos bem os indicadores financeiros é preciso conhecer os conceitos que estão por trás de seus componentes.

Por exemplo: se entendermos que endividamento é uma informação estática e liquidez é uma informação dinâmica, melhoraremos muito nossa capacidade de fazer uma boa análise financeira.

É isso que iremos explicar neste texto.

Endividamento é estático e liquidez é dinâmica

Se uma empresa deve $1.000.000 para bancos esta informação está associada a uma data.

A empresa deve $1.000.000 para bancos em 30 de setembro de 2018.

Análise do endividamento também exige uma ordem de grandeza. Portanto, temos que identificar uma referência. As mais comuns são: patrimônio líquido (PL) e ativo total (AT).

Exemplo 1: Indicador de endividamento bancário em 30/09/2018 = $1.000.000 / PL de $1.000.000 = 1,00.

Interpretação: para cada $1,0 de capital próprio investido, a empresa deve $1,0 junto a bancos.

Exemplo 2: Indicador de endividamento bancário em 30/09/2018 = $1.000.000 / Ativo Total de $4.000.000.

Interpretação: para cada $1,0 de investimento no ativo total, $0,25 está sendo financiado junto a bancos.

Os 2 exemplos acima mostram que a análise do endividamento é estática. Acontece em 30 de setembro de 2018, por exemplo. Ou seja: numa data específica.

Portanto, podemos atualizar a posição do endividamento ao final de cada mês, trimestre, semestre ou ano. Feito isto, podemos observar uma linha de tendência.

Exemplo: acompanhamento do endividamento bancário/PL nos últimos 3 anos.

acompanhamento do endividamento bancário/PL nos últimos 3 anos

Observamos que a relação endividamento bancário/PL cresce de forma lenta e firme ao longo dos três anos.

Já a análise da liquidez é dinâmica. Não se refere a uma data, e sim a um período de tempo: pode ser mês, trimestre, semestre ou ano.

Liquidez lembra dinheiro. E dinheiro lembra caixa, ou melhor, geração de caixa.

Mas liquidez em relação a quê? Geralmente queremos demonstrar liquidez da empresa em relação aos nossos credores bancários e assemelhados.

Vamos substituir a palavra liquidez por capacidade de pagamento de uma empresa.

Portanto, o melhor indicador financeiro para medir a capacidade de pagamento de uma empresa em relação às suas dívidas bancárias é:

Exemplo:

Capacidade de pagamento no 1º trimestre de 2018 = Geração de caixa operacional / Serviço da dívida

Capacidade de pagamento no 1º trimestre de 2018 = $10.000.000 / $8.000.000 = 1,25

Interpretação: para cada $1,0 de pagamento do serviço da dívida, a empresa gerou um caixa operacional de $1,25. Há uma folga de $0,25.

Serviço da dívida significa: pagamento dos juros mais pagamento da parcela do principal.

Fica evidente que esta avaliação vale para o 1º trimestre de 2018. Portanto, podemos acompanhar a liquidez, ou capacidade de pagamento, da empresa trimestralmente e elaborar uma linha de tendência.

Exemplo: acompanhando o indicador geração de caixa operacional/pagamento do serviço da dívida ao longo de 2018

acompanhamento de geração de caixa operacional/pagamento do serviço da dívida ao longo de 2018

Verificamos que a liquidez, ou capacidade de pagamento da empresa piora trimestre a trimestre de maneira gradual e firme.

Importante: o indicador de liquidez calculado desta forma captura a empresa em movimento. Por isso dizemos que a análise da liquidez, ou da capacidade de pagamento é dinâmica.

Conclusão

  • Analisar a posição de endividamento numa data é importante. Porém, analisar a liquidez, ou a capacidade de pagamento da empresa num período de tempo é muito mais importante.

Exemplo: uma empresa deve $20.000.000 em 30/09/2018. É muito dinheiro. Porém, se o serviço da dívida é de $4.000.000/ano e a geração de caixa operacional estimada é de $8.000.000/ano, podemos concluir que a dívida será aparentemente paga com conforto.

Ao contrário, se a geração de caixa operacional estimada for de $2.000.000/ano a empresa possivelmente apresentará problemas de liquidez.

  • Dívida atual se paga com geração de caixa futura.

Portanto, indicadores de liquidez, ou capacidade de pagamento calculados com base em dados projetados valem muito mais do que indicadores calculados com base em dados passados.

Liquidez, ou capacidade de pagamento projetada é o que interessa.

  • Como fica o clássico indicador de liquidez corrente (e assemelhados)? Ativo Circulante / Passivo Circulante, por exemplo?

Não vale muita coisa em termos de análise. São calculados com base em posições estáticas de balanços encerrados. Não observam a empresa em movimento.

Empresa sólida financeiramente é aquela que tem boa liquidez, ou capacidade de pagamento de suas dívidas.

E isso pode acontecer mesmo que ela tenha um endividamento bancário moderado e até elevado.

Geração de caixa operacional projetada x serviço da dívida projetado é o que importa.

Obrigado! Faça seus comentários no blog da Cavalcante.

Aproveite para sugerir temas para novos textos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *